Tag: minimalismo

Dia de destralhe no guarda-roupa!

Hoje foi dia de revisar o armário e tirar algumas peças para doação! Fiquei de levar roupas para um bazar de caridade, e imaginei que não teria muito o que dar. Afinal, fiz uma super faxina na época da mudança para o apartamento novo e não comprei quase nada esse ano. Mas parece que as roupas brotam no armário, é impressionante! Quanto mais eu tiro, mais vejo que é possível reduzir.

Muitas de vocês descrevem a sensação de limpar o armário como um alívio para a mente! Eu sinto a mesma coisa, parece que tudo fica mais leve dentro de casa. Dá gosto ver o guarda-roupa livre e organizado, sem aquele tumulto de roupas amassadas 🙂

destralhe-minimalismo

No total, foram 9 peças minhas e 1 do marido. Na foto aparecem 8 minhas, mas depois lembrei de acrescentar uma calça de ginástica que estava na fila para o destralhe! Ainda coloquei na sacola um timer de cozinha em formato de bule. Ele é fofo, mas nunca foi usado! Quando preciso marcar o tempo, prefiro usar o celular.

destralhe

Reconheceram as peças? Algumas delas fizeram parte do desafio Agora Vai, que faço todo mês no Youtube. A blusa de frio azul já passou por lá e eu não consegui desapegar na época. Ela é bonita, mas eu acabo usando 1 ou 2 vezes por ano, no máximo! Por ser de frio, já me restringe a alguns dias de maio e junho, praticamente. Ela é larga e deixa os ombros à mostra, o que exclui o uso no trabalho. Tenho outros casacos mais bonitos e práticos de usar, então essa sempre era a última opção.

A minha intenção com todo esse processo é ter um guarda-roupa enxuto e que me faça feliz. Ou seja, que eu goste de todas as minhas roupas e não tenha nada por apego ou obrigações, do tipo “tá na moda”, ou “um dia vou usar”. Entendi que essa blusa é totalmente dispensável no meu armário e pode ser muito mais útil para outra pessoa. Ah, essa eu também comprei sem provar, um dos meus maiores erros!

A camiseta verde veio do armário da minha irmã por estar bem gasta (carinha de velha, sabe?). Peguei para “usar em casa”, outro erro muito comum que estou tentando evitar. Não acho que faça sentido manter várias roupas velhas e manchadas para ficar em casa. Claro que é bom ter uma ou outra para uma faxina ou trabalho mais pesado, mas em geral gosto de ficar em casa com roupas que me agradam. Não estou dizendo que me arrumo para ficar no sofá, mas prefiro usar roupas “inteiras” para isso. Faz sentido?

img_6006

A saia e a blusa estavam “encostadas” há um tempo na minha lojinha no Enjoei. A blusa eu comprei para usar em uma festa de ano novo (2013/2014) e usei pouquíssimas vezes depois. Ela é linda, mas tem um tecido bem transparente e só consigo usar com uma blusinha por baixo. Aí bate aquele calor só de pensar em sair com duas blusas e eu acabo deixando essa de lado.

A saia veio do armário da minha irmã, que deve ter usado a peça uma ou duas vezes. Ela separou várias roupas para eu colocar na minha lojinha e muitas foram vendidas, mas essa ficou sobrando. Ela é tamanho 36 e um pouco curta, difícil de usar. Vai para o bazar em busca de uma nova dona!

img_6005

E teve também roupa com etiqueta, acreditam? Essa o marido ganhou e nunca usou, ficou esquecida na gaveta. Felizmente, ele não é de comprar muito e sabe escolher bem: só compra o que realmente vai usar. Essa blusa foi uma pena, porque veio de outra cidade e não pudemos trocar.

Colocar essa camisa na sacola de doações me fez lembrar de todas as roupas que eu doei sem nunca terem sido usadas, muitas delas ainda com a etiqueta. É muito dinheiro desperdiçado, fora o tempo perdido indo à loja, provando as peças, etc. Fico feliz quando vejo que isso não acontece há um bom tempo 🙂 Claro que ainda cometo alguns erros nas compras, mas hoje em dia estou bem mais eficiente nesse sentido.

Espero muito que esse destralhe sirva como incentivo para você começar o seu! Esse fim de ano é uma época ideal para colocar a casa em ordem e começar o novo ano com tudo no lugar!

Beijos!

Destralhe de hábitos

public-domain-images-free-stock-photos-craft-arrow-feather-pastel-dream-1-1000x666

Li um post do Meu Diário Minimalista sobre um exercício rápido para clarear nossos pensamentos e colocar no papel aquilo que está em excesso ou em falta na nossa vida. A ideia veio do Be More With Less e consiste em fazer três listas (já ganhou a atenção da virginiana aqui).: less (menos), more (mais) e none (nada).

Colocando nossos desejos e hábitos no papel, fica mais fácil enxergar o que queremos continuar fazendo e o que devemos reduzir ou eliminar da nossa rotina. Quando comecei a escrever, reparei que as minhas prioridades são basicamente as mesmas do fim de 2015, quando bolei minhas metas para 2016. Parece bobo, mas esse já é um grande avanço para quem muda de ideia com facilidade, como eu. Só de saber que estou caminhando na mesma direção há alguns meses, fico satisfeita. A vida inteira eu mudei de rumo várias vezes e abandonei projetos pela metade. Agora vejo que as coisas estão mais definidas 🙂

Less (menos)

Redes sociais tenho o hábito de deixar o Facebook e o Whatsapp web abertos no computador, então acabo vendo muito mais do que deveria. Quero limitar um período do dia para consultar Facebook, Instagram e Snapchat. Ainda uso muito Whatsapp e e-mail para o trabalho, então esses ficam de fora.

Açúcar a vida inteira fui aquela pessoa que comia à vontade sem se preocupar com o peso. Comia todo tipo de doce sem critério, mas hoje sei que não é só o peso que importa. Aos 31 anos, preciso me preocupar mais com a minha alimentação e o açúcar é um grande vilão. Entra na lista de less porque não quero cortar para sempre.

Gastos – por mais que eu tente cortar gastos de todos os lados, sempre acho que dá para melhorar. Esse ano eu gastei MUITO com a casa e comecei a pagar várias contas novas (luz, condomínio, internet, etc). Fiquei um pouco perdida no início, mas já me adaptei à nova realidade e agora quero focar em cortar!

Exageros na alimentação segue a mesma ideia que falei acima sobre o açúcar. Preciso aprender a comer só um pouco e não encher o prato. Dia desses fui no buffet do meu trabalho e servi 4 tipos de doces. Oi? É esse tipo de exagero que quero cortar.

Ansiedade  tenho o péssimo hábito de me preocupar muito com o futuro e tomar decisões “prevendo” o que pode me acontecer no futuro. E hoje vejo que essas são as piores decisões que eu faço. Preciso começar a confiar que tudo vai se resolver na hora certa.

More (mais)

Exercícios – entrei no pilates e estou adorando! Quero criar esse hábito na minha vida, coisa que nunca consegui. Agora moro pertinho de um parque e tenho feito algumas caminhadas, o que tem me animado bastante.

Foco – quero fazer tudo ao mesmo tempo e acabo não fazendo nada, sabe como é? Perco tempo e energia com coisas que não me acrescentam em nada, e acabo deixando de lado aquelas que são realmente importantes.

Leituras específicas – sempre gostei de ler, mas nunca fui muito criteriosa. Ia na mesa de ‘mais vendidos’ da livraria e escolhia títulos de todo tipo. De uns meses para cá, passei a definir melhor os assuntos sobre os quais quero ler. Isso não será para sempre, mas no momento tem me feito bem e quero continuar.

Meditação – preciso! Fiz dois cursos de meditação para conhecer melhor a prática e estou tendo muita dificuldade em criar o hábito diário. Sei que vai ser a resposta para muitas questões minhas, então quero insistir na meditação até conseguir.

None (nenhum)

Remoer pensamentos – a ansiedade me leva a remoer eternamente os problemas (do presente, passado e futuro). Isso não me faz bem e eu quero cortar completamente da minha vida. A meditação ensina a afastar pensamentos sem se deixar afetar por eles durante a prática. Só deixar ir, sem se preocupar. É o que estou tentando fazer o dia a dia sempre que algo vem à tona. Uma técnica é começar a pensar em algo positivo ou agradecer pelas coisas boas do dia. Claro que nem sempre funciona, especialmente naqueles dias de desânimo extremo.

Sugiro que você faça esse exercício para entender melhor o que pode estar em excesso na sua vida. O destralhe não ajuda só a organizar a nossa casa, é bom para a mente também 🙂

Beijos!

Minimalismo e decoração da casa

Desde o início do planejamento dos móveis da casa, meus objetivo principal era ter ambientes claros, tranquilos e com poucas coisas. Não me sinto bem em lugares cheios, com muitos armários e enfeites pela casa. Preferi seguir uma decoração minimalista, apesar de não levar ao pé da letra os conceitos desse estilo de vida. Se você ainda não conhece a minha casa, mostrei em vídeo a sala e a cozinha.

A principal vantagem de uma casa com decoração minimalista, para mim, é: fácil de limpar e organizar, fora o aspecto visual, que eu amo. Um dia desses recebi a notícia de que alguns amigos chegariam em exatos 5 minutos. Eu não tinha nada planejado e bateu aquele pânico. Corri para devolver tudo que estava fora no lugar enquanto o marido passava o aspirador e JURO que em 5 minutos estava tudo apresentável e ainda tinha um potinho de azeitonas para receber as visitas (na véspera do mercado só tem isso na geladeira…hahaha). Nesse dia percebi que atingi meu objetivo de ter uma casa fácil de gerenciar, que dificilmente vai sair do meu controle em termos de bagunça. Confie em mim, você não precisa de tantos móveis e peças decorativas para ser feliz 🙂

Agora vamos às ideias de decoração minimalista que adotei lá em casa. Priorizei o branco, algumas variações de bege, cinza e madeira. Só isso já deixou o apartamento muito mais leve. Na escolha dos móveis, optei por comprar o básico: sofá, mesa de jantar, cama e rack. Não temos mesinhas de canto nem de centro, tapetes ou estantes. Gosto dos espaços vazios e, principalmente, da facilidade em arrumar tudo. Ainda quero ter um móvel tipo buffet na sala porque sonho com um barzinho e um espaço do café <3 Mas é luxo, estamos indo super bem sem o buffet por enquanto.

Seguindo o minimalismo na decoração, substituí abajur e luminária de chão por pendentes na sala e no quarto. Eles ocupam zero espaço no chão e são muito funcionais. Aliás, torço o nariz para objetos que não têm “função” lá em casa. Tenho alguns itens de decoração, como porta-retratos e algumas caixas decorativas, mas só! Confesso que estou com vontade de colocar um pouco mais de cor na sala, mas só nos quadros que pretendo colocar na prateleira da sala.

O Leo Babauta, autor de livros sobre minimalismo e do blog Zen Habits, dá algumas dicas para aplicar o minimalismo na decoração de casa:

Um cômodo de cada vez
É difícil planejar tudo de uma vez quando não se é especialista no assunto. Eu, por exemplo, me mudei há meses e ainda não consegui terminar todos os cantos da casa. A ideia é focar em um quarto de cada vez para conseguir um ambiente calmo e sem tralhas.

Mantenha as superfícies livres
Evite ao máximo colocar objetos em superfícies, como estantes, bancadas e mesas. Tente usar apenas um ou dois itens de decoração, em vez de encher de porta-retratos, vasos de flor, entre outros itens. Isso facilita demais a limpeza e tira aquela impressão de casa cheia, sabe?

Deixe os objetos fora de vista
Depois de destralhar o cômodo e tirar tudo o que for lixo ou doação, encontre um lugar para cada objeto que permanecer na sua casa. Você pode guardar no armário ou em gavetas, mas tente não deixar nada à vista. Se você usa estantes abertas para livros e CDs, reduza ao máximo os objetos de decoração expostos nelas.

Cores
Você pode usar pontos de cor no cômodo, mas o ideal é deixar a maior parte dele em cores que não chamem tanta atenção. O branco é o clássico do minimalismo, mas hoje existem mil opções de beges e outras cores tranquilas. Use cores sólidas nos móveis e no acabamento do chão, de preferência. Estampas muito elaboradas podem poluir a decoração.

Separei fotos de casas que me inspiram pela luminosidade, organização e tranquilidade dos ambientes! Vou começar com a casa da Jenny Mustard, que eu acompanho no Youtube. Ela tem pouquíssimas coisas e um estilo super diferente!

jennymustardgettingorganised2c jennymustardminimalistwardrobetour4 jennymustardunit2c-e1473240070844

E mais algumas fotos de ambientes com decoração minimalista para inspirar <3

7ab66f870f48c001132802274799d4fb b350cb95d26fc50ade46c94117b4b5da

minimalismoFonte

 

Beijos!

Louças básicas para receber em casa

No último domingo fiz um café da manhã muito especial para receber familiares que ainda não conheciam o nosso apartamento. Arrumei a casa toda e quis fazer uma mesa bem linda e convidativa. Mostrei os preparativos no snapchat (ELISALANGSCH) e o sucesso foi tanto que resolvi falar um pouco mais das minhas louças!

Assim que comecei a comprar meus itens de cozinha, resolvi priorizar cores neutras e objetos que eu pudesse usar por décadas. Eu precisava reduzir meu acervo por conta do espaço, mas ainda assim queria ter o suficiente para uma mesa bem decorada. Escolhi louças brancas e objetos de vidro, e deixei as estampas e cores fortes para alguns poucos objetos. Essa foi a maneira que encontrei para ter itens básicos que funcionem em qualquer ocasião.

No vídeo mostrei as peças usadas nesse café da manhã especial e dei várias dicas para quem está na fase de montar enxoval e lista de casamento. Espero que vocês gostem!

Beijos!

Comprar e vender no Enjoei

Recebi um comentário com uma dúvida que também surgiu logo no início do meu processo de destralhe do guarda-roupa: o que fazer com as roupas que não queremos mais? Essa pergunta costuma ter 3 respostas diferentes: doar, vender ou jogar fora.

Jogar fora é a última opção, só vale para aquilo que está rasgado ou sem condições de uso. Ainda assim, já li que abrigos para animais abandonados usam retalhos para fazer caminhas. Já doei lençóis e panos de prato bem velhos para um abrigo aqui de Brasília.

Muita coisa pode ir para doação e há várias entidades que precisam dessas peças. Boa parte dos meus destralhes vai para o bazar de uma igreja que conheço desde criança. Você também pode levar em abrigos ou buscar na internet grupos da sua cidade que recolham e façam a distribuição das roupas.

Aí sobram aquelas roupas que você usou pouquíssimas vezes ou nem tirou a etiqueta. Você pode recuperar uma parte do valor gasto vendendo essas peças. Sou fã de compras na internet, e encontrei no site Enjoei a maneira mais fácil de mandar as minhas roupas para quem realmente vai gostar delas.

Já vendi várias peças e fiz duas compras, por isso resolvi falar sobre a minha experiência no site. Se você quiser se cadastrar no site para conhecer melhor, use esse link: enjoei.com/c/elisalangsch. Você ganha R$ 20 na primeira compra e, eu, R$ 10 🙂

50

Beijos!

Planejando dias de folga <3

Depois de muita espera, finalmente chegou a minha folga! Na próxima semana terei todo o tempo do mundo para fazer o que der na telha. Quero passar um bom tempo de bobeira, assistindo séries e dormindo, mas também quero aproveitar para produzir. E sei que só vou conseguir isso com um pouco de organização e planejamento.

Mas planejamento nas férias? Jura? Eu encaro a organização como algo super positivo e que só vai me trazer benefícios. Não vejo como um trabalho chato, sabe? Gosto de me planejar inclusive nos dias de folga para conseguir fazer o que tiver vontade.

Sou o tipo de pessoa capaz de ficar o dia inteiro no sofá. Aí a noite chega e eu fico super arrependida de não ter feito as coisas que gostaria. Para evitar isso, gosto de pensar nas atividades que quero ou preciso fazer. Como estou tratando de férias, vou deixar os horários bem livres 🙂

public-domain-images-free-stock-photos-aureliejouan-flowers-1000x666

Meus objetivos para a semana são:

Fazer exercícios
Vou me arriscar nas aulas de kangoo, aquela bota com uma “mola” para dançar pulando. Nunca fiz, estou bem curiosa!

Gravar vídeos
No fim do mês vou participar de um desafio muito legal com outros canais do Youtube e quero deixar os vídeos prontos. Fora isso, vou produzir vídeos para abastecer o canal em agosto.

Aprender edição de imagens
Me aventurar no Photoshop é uma das metas para o ano e está parada por falta de coragem. Quero pelo menos me familiarizar com o básico do editor.

Limpar todos os sapatos
Não sei como vocês fazem, mas eu tiro os sapatos assim que entro em casa para não sujar o piso. Às vezes estou arrumando a sala correndo e guardo todos os sapatos no armário sem nem lavar. Por isso quero esvaziar a sapateira e limpar um por um.

Cozinhar
Adoro cozinhar, mas nem sempre tenho tempo ou disposição para fazer algo diferente. Quero aproveitar esses dias para almoçar bem, preparar coisas gostosas no café da tarde e testar receitas diferentes para o jantar.

Acho que ficou bom, né? Vou ter tempo de sobra pra ficar de bobeira, assistir Sessão da Tarde e dar umas voltinhas 🙂

Aproveitem muito o fim de semana!

Beijos

Por quanto tempo guardar contas?

Ao longo do ano, é natural juntar todo tipo de papelada: contas, comprovantes de pagamento, fatura de cartão, orçamentos, recibos, e muito mais! Organizar esses documentos é fundamental para não passar perrengue no futuro. Quem nunca procurou desesperadamente aquele comprovante de votação das últimas eleições? Eu já passei por vários apertos, até que resolvi organizar definitivamente a minha papelada.

Separei tudo em pastas e hoje consigo arquivar facilmente qualquer papel novo que entre em casa. Todos os meus documentos pessoais estão reunidos em local de fácil acesso. Quando precisar, é só pegar a pasta certa e pronto!

guardar-contas

No caso das contas, procurei cancelar o recebimento da maioria delas pelos Correios. Cartão de crédito e telefone chegam direto no meu e-mail todos os meses. Ainda guardo alguns recibos mais importantes, como do financiamento imobiliário, e contas de luz.

Até hoje não tive problemas com contestação de contas, mas sempre é bom guardar os recibos de pagamento para garantir. As empresas e o governo (no caso de impostos) podem contestar o pagamento tempos depois do pagamento. Pesquisei no IDEC o tempo ideal de armazenamento de cada conta para dividir com vocês:

ÁGUA, LUZ, TELEFONE E GÁS:
O ideal é guardar esses comprovantes por cinco anos. Esse é o prazo em que uma conta pode ser contestada.

IMPOSTOS:
Os comprovantes de pagamentos de impostos em geral, como IPTU, IPVA e Imposto de Renda devem ser guardados por cinco anos. Mas fique atento a um detalhe: esse prazo começa a contar somente no primeiro dia útil do ANO seguinte ao do pagamento. Ou seja, melhor guardar por 6 anos para garantir.

CARTÃO DE CRÉDITO:
Faturas quitadas do cartão devem ser guardadas por cinco anos.

ALUGUEL E CONDOMÍNIO:
Se você mora de aluguel, o ideal é guardar os comprovantes de pagamento por três anos. Esse é o período que o dono do imóvel tem para contestar os pagamentos. O mesmo prazo de três anos vale para o contrato e o termo de entrega das chaves após a desocupação do imóvel. No caso do condomínio, recomenda-se guardar os comprovantes por cinco anos. O Serasa recomenda que você conserve os comprovantes por todo o tempo em que morar no imóvel, para garantir. Para não acumular tanto papel, você pode pedir à administradora do prédio uma declaração de que não há débitos. Ah, os condomínios pagos antes de 1993 (antes da regra mudar) devem ser armazenados por 20 anos (!!!).

Quer saber como eu organizo meus documentos? É só assistir o vídeo:

Beijos!

 

Conta bancária grátis? Existe sim!

Há alguns anos, descobri uma maneira de economizar mais de R$ 500 por ano com uma mudança simples: parei de pagar tarifas em todas as minhas contas bancárias. Essa possibilidade não é divulgada, muito menos oferecida ao cliente na hora do atendimento. Mas ela existe e já me rendeu uma bela economia!

Hoje existem dois modelos de contas gratuitas: a conta de serviços essenciais e a conta digital. A escolha vai depender do seu perfil. Eu não tenho costume de ir ao banco e prefiro fazer tudo pela internet. Me dou bem com a conta digital para usar no dia a dia, mas também tenho a de serviços essenciais. O legal é que você não precisar abrir uma conta nova, basta ir ao banco e pedir a alteração.

Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor tem uma cartilha com dicas ótimas sobre tarifas bancárias. Também separei para vocês uma matéria da revista do Idec sobre a conta digital com muita informação útil!

Postei um vídeo com mais detalhes sobre essas duas opções de conta e as vantagens de cada uma:

Se quiser se aprofundar no assunto e conhecer seus direitos, consulte a resolução do Banco Central que trata da cobrança de tarifas.

Beijos!

Hora de rever as metas do ano!

Hoje é dia 30 de junho e o primeiro semestre de 2016 se foi! É hora de dar uma olhada naquelas metas que definimos em dezembro para saber o que andou e o que ficou na mesma. Eu gosto de cumprir metas para ter aquela sensação de que vou terminar 2016 diferente de como estava em 2015. Gosto de sentir que estou evoluindo e me esforçando para alcançar meus objetivos. E as metas são uma grande ajuda para manter o foco nesse processo.

Fico perdida sem objetivos bem definidos, seja para o ano ou para o dia. Já comentei por aqui que minha vida é toda organizada por listas. Se acordo e não tem nada definido para o dia, fico de bobeira e nem lembro daquilo que precisava fazer. O mesmo acontece ao longo do ano: sem uma direção muito clara do que quero conquistar, nada acontece.

Por isso, achei uma boa ideia rever as minhas metas para 2016 e avaliar o andamento de cada uma. Deu para ter uma noção boa de quais metas precisam de um investimento maior! Fora a alegria de ver algumas metas praticamente completas ainda no meio do ano 🙂 Espero muito que você goste desse balanço de meio de ano e te convido a fazer o mesmo em casa. Depois me conta por aqui como andam as suas metas.

Beijos!

Guia de compras da Marie Kondo

A japonesa Marie Kondo é uma inspiração para mim e me já apareceu várias vezes aqui no blog com dicas incríveis de organização. Gosto do método dela porque envolve não só a organização, mas o destralhe e a redução do consumo. Acredito que com esses três itens, todo mundo pode ter uma casa organizada e livre de excessos. Mas uma coisa é ler as dicas da Marie Kondo nos livros, e outra é colocá-las em prática, certo/

Pensando nisso, o site da revista The New Yorker levou a nossa organizadora preferida para fazer compras em uma loja maravilhosa, a Anthropologie. Confesso que nunca tive coragem de comprar nada nessa loja ($$$), mas as peças são realmente lindas. Enquanto Marie passeava pelas araras, ela passou algumas dicas valiosas para fazer compras inteligentes. Você pode ler a matéria original em inglês aqui, mas eu fiz uma adaptação em português com alguns comentários.

Se quiser conhecer mais sobre o método konmari, leia os posts abaixo:

A mágica da arrumação

Como organizar guarda-roupa

Marie Kondo

Visualize a roupa desejada antes de começar as compras

Não saia para fazer compras sem foco. Você só deve entrar em uma loja (ou site) quando precisar de algo específico, e é importante visualizar sua versão ideal daquele item antes de entrar. Isso evita que você se conforme em comprar algo pior ou totalmente diferente do foco inicial.

Cada peça de roupa ocupa um papel diferente na sua vida

A maior parte dos itens que você compra pertence a um segmento da sua vida, mas não necessariamente a outro. Pense em roupas de trabalhar versus roupas de sair. Avalie em qual área da sua vida você usará o novo item na maioria das vezes, porque isso vai ajudar a definir sua escolha. Caso contrário, você pode acabar com peças muito apertadas ou curtas para o ambiente de trabalho, ou ainda roupas casuais que exijam muitos cuidados.

Toque cada peça de roupa

Assim como a Marie Kondo recomenda para o destralhe da casa, é importante tocar cada peça que você possa comprar. Compras em potencial deveriam dar a sensação de contentamento quando você as sente. Caso a peça não desperte o sentimento, ela não vale seu dinheiro.

Ignore roupas não disponíveis no seu tamanho

Se a loja não tiver aquela peça no seu tamanho, ignore-a completamente e não fique tentando fazer a roupa cair bem a qualquer custo.

Evite o que não desperta alegria

Como mencionado antes, os itens que você vai comprar devem despertar alegria. Isso significa que eles deveriam te deixar animada sobre eles, sobre a vida, e não trazer associações negativas. Você deve evitar qualquer coisa que te deixe mal consigo mesma, que seja desconfortável ou traga memórias ruins do passado. A Marie praticamente não usa calças porque elas pararam de “despertar alegria” nela.

Passeie pela loja inteira antes de experimentar algo

Você quer tomar a decisão mais inteligente possível, e a melhor maneira de fazer isso é avaliar tudo o que a loja (ou site) oferece. Pode demorar mais tempo, mas percorra toda a loja para que você não perca nada interessante e perto do que você procura.

Faça compras sozinha

Ter sucesso nas compras envolve ver e provar muitas roupas, o que pode ser chato quando se tem amigos ou familiares te esperando. A Marie Kondo prefere fazer compras sozinha, ou, no máximo, leva o marido. Eu considero que levar acompanhantes aumenta as chances de erro, porque é muito fácil se deixar levar pelos comentários dos outros.

Aceite seu tamanho atual

Mais do que ignorar qualquer peça que não seja do seu tamanho, Marie Kondo sugere que você goste do seu corpo como ele é. Aprendendo a ser mais confiante e confortável na sua própria pele, você estará menos vulnerável a fazer compras emotivas sem base na realidade. “Eu só compro o que fica bem em mim. Se eu quiser emagrecer, faço isso primeiro e depois vou às compras”, disse Marie.

Não espere que um item desejado entre em liquidação

Marie Kondo acredita que se você esperar muito para que a peça entre em promoção, você pode perder a oportunidade de comprar o tamanho certo, já que as liquidações costumam ter pouca numeração. Para garantir que você compre apenas aquilo que te cai bem, compre logo as roupas que você adorou. Você vai economizar dinheiro na costureira para deixar a peça no seu tamanho.

Reduza até chegar ponto de sentir o “click”

Nesse dia de compras, a Marie selecionou 10 vestidos, depois reduziu para dois. A ideia é analisar cada peça e levar só as que despertarem alegria e não te façam sentir culpada depois de sair da loja. Tenha certeza de que precisa ou quer muito aquilo que está comprando.