Passei meses me dedicando ao destralhe do meu armário: doei muitas roupas, vendi outras e reduzi as compras de peças novas. Fiz o mesmo com sapatos, bolsas e bijuterias. Até as maquiagens, produtos de corpo e cabelo entraram na dança. Cheguei ao ponto de ocupar só metade do guarda-roupa e ficava feliz com cada espaço vazio.

No último fim de semana fizemos a mudança e foi moleza levar as roupas e acessórios para a casa nova. Como mostrei no vídeo de ontem, tudo estava bem organizado e foi muito mais fácil do que eu imaginava. Até aí, tudo certo. Até que chegou a hora de levar os itens de cozinha. Gente… Eu comecei a montar o “enxoval” em 2012, e desde então comprei/ganhei muita coisa legal para a casa. No chá de panela, os presentes mal cabiam no carro. Na época do casamento, era caixa saindo pelo ladrão na casa dos meus pais.

A cada item que chegava, eu arrumava um espacinho para montar meu estoque. Mandei muita coisa pra casa da minha sogra, enchi o baú da nossa cama e aproveitei um banheiro desocupado da casa dos meus pais. Fora o que ficou no maleiro do armário e outros cantos que eu ia arrumando. O resultado dessa bagunça toda é que eu não fazia a menor ideia da quantidade de coisas para a casa que eu tinha. Fiquei tanto nos artigos pessoais que perdi o controle do resto.

Pensei muito em um filme que recomendei aqui há um tempo: um homem guarda todos os seus pertences no depósito e só pode retirar um por dia. O que é realmente necessário ter em casa? É claro que a resposta para essa pergunta depende dos hábitos de cada pessoa. Apesar de ter recebido muitos presentes incríveis no ano passado, tive que correr no domingo para comprar um utensílio simples: uma leiteira de vidro resistente ao micro-ondas. Percebi que é uma das coisas mais importantes para mim na cozinha, especialmente enquanto o gás não chega.

Não me arrependo de ter começado o enxoval mil anos antes da mudança, até porque eu não imaginava que demoraria tanto. Fazendo as compras aos poucos, consegui juntar itens ‘dos sonhos’ sem sentir um impacto nas contas. O lado negativo foi perder o controle da situação. Até tentei fazer um inventário, mas não tive sucesso. Ou seja, vivo falando em organização, mas me perdi na minha própria bagunça. Será que sou uma fraude? :p

É brincadeira, tá? heheheh Um leve desvio no caminho da organização não vai tirar o meu foco, mas tudo isso me fez pensar que não adianta dar atenção total a um setor abandonar o restante. Na casa nova, vou me esforçar para manter todos os cômodos em ordem. Mas eu não sou a louca da organização, apesar de adorar o assunto. Dias de bagunça são inevitáveis e sei muito bem conviver com eles sem me estressar.

A mini roseira amarela é a mais nova moradora do apartamento :)
A mini roseira amarela é a mais nova moradora do apartamento 🙂

Vou aproveitar o feriadão para fazer AQUELA faxina no apartamento e organizar as minhas gavetas. Depois conto o resultado 🙂

Beijos!

2 comments on “Sou uma fraude?”

  1. Ola Elisa adorei o seu texto…..tb já fiz o desapego a muita coisa, roupa minha do meu marido e dos meus filhos…mas tem muito mais para desapegar.No entanto no meio de tudo isso todos nós temos as nossas manias ( como se diz em Portugal ).Eu também sou louca por cozinha e como cá no meu País há uma grande variedade de loiça, como pratos Bordalo Pinheiro…pratos com azulejos portugueses e melhor que tudo isso a nossa famosa Vista Alegre eu tenho uma verdadeira coleção e é dificil desapegar…mas vamos ver, um dia destes mando-te umas fotos…beijokas querida.

    • Manda as fotos, vou adorar!! Eu ia enlouquecer morando em um lugar com tantas louças lindas. Ano passado, na minha lua-de-mel, trouxe mil potinhos e pratos! Os de Portugal devem ser maravilhosos 🙂 Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *