Cottage caseiro

Nesse fim de semana resolvi gravar uma receita simples, mas que me ajuda demais a economizar nas compras! Faço um cottage caseiro que aprendi no Panelaterapia e já apareceu aqui no blog há um bom tempo. É um substituto incrível para cottage, requeijão ou ricota industrializados. O preço sai bem em conta e o sabor fica do seu jeito: é só variar os temperos.

O cottage caseiro é mais uma técnica do que uma receita, de tão simples que é. Ele fica pronto em alguns minutos e depois é só guardar em um pote na geladeira. Fica perfeito no café da manhã ou como base para uma pastinha de ervas ou tomate seco! Funciona bem como recheio de sanduíches, para quem não é fã de carnes, como eu. Em vez de usar presunto ou outro embutido, recheio o pão com bastante cottage e tomate. Muito mais gostoso e saudável que os lanches vendidos na lanchonete do trabalho!

E ainda tem a vantagem do preço! Fico horrorizada com o preço de um pote de requeijão em alguns mercados da minha cidade. Se for para comprar o cottage pronto, então, nem se fala! Vejo requeijão de 6, 7 e até 8 reais. E é um produto que acaba rapidinho, tenho sempre que repor. Enquanto isso, um litro de leite custa de R$ 2,50 a R$ 3 e rende uma boa quantidade de cottage caseiro.

Faça o teste dessa receita e depois me conta se o seu cottage caseiro não ficou muuuito mais gostoso que o do supermercado!

cottage-caseiro

Beijos!

Por que compramos tanto?

Você já parou para pensar nos motivos que te levam a comprar? Quase nunca compramos uma bolsa nova por necessidade, por exemplo. Outras razões costumam estar por trás dessa vontade louca de passar o cartão de crédito e sair do shopping carregada de sacolas.

Pesquisando sobre o assunto, conheci a Debbie Roes, autora de um blog incrível sobre essa questão: o Recovering Shopaholic. Ela lutou contra a compulsão por compras por mais de 30 anos e hoje faz reflexões incríveis sobre o consumismo excessivo.

showcase-970262_1920

Em diferentes posts, a Debbie lista motivos que nos levam a comprar. Me identifiquei com vários! Ficou claro para mim que a vontade incontrolável de comprar só por comprar esconde algum problema que não queremos enfrentar. É duro, mas acho importante aceitar que a loucura pelo shopping pode ser resultado de insegurança, depressão ou medos variados.

Quero citar alguns exemplos trazidos pela Debbie e saber o que vocês pensam sobre o assunto. Se você tiver curiosidade em conhecer toda a lista (e não se importar na leitura em inglês), conheça o blog dela!

Tédio
Culpada, culpada e culpada! Já caí nessa roubada incontáveis vezes. Estava saindo do trabalho e não tinha nada para fazer em casa ou na rua. Em vez de buscar alguma atividade que me favorecesse (academia, um curso, etc), eu corria para o shopping. Hoje sei da importância de me envolver em atividades interessantes além do trabalho e da casa para manter a cabeça em ordem. Superei esse péssimo hábito do shopping, mas me pego em sites online quando o dia está chato. Mais um hábito a evitar!

Fuga/negação
Você tem um abacaxi enorme para resolver em casa no trabalho, mas é muito mais fácil correr para as lojas do que encarar o problema de frente. Ou você uma reunião terrível e precisa fugir do stress. Problemas sempre vão existir, nunca vamos escapar deles. Eu prefiro resolver o problema o mais rápido possível e me ver livre dele, mas sei que é comum entrar nesse estado de negação.

Insegurança
Aquele sentimento de não ser bom o suficiente, ou de não ser tão bom quanto os outros, é mais um motivo para as compras sem controle. O problema é que as roupas novas não resolvem a insegurança e a gente continua se sentindo pra baixo, mesmo com mil peças de marcas famosas. Demorei, mas aprendi que não é um banho de loja que vai curar a insegurança.

Pressão de conhecidos
Esse é mais um clássico: quem nunca comprou só porque a amiga tinha um igual ou porque estava acompanhada das colegas de trabalho e não queria ficar “por baixo”? Já passei por isso várias vezes na minha adolescência e também na fase adulta. Se fulana usava tal marca, eu também queria. Se alguém falava pra eu usar tal roupa, eu comprava. É muito bom sair para passear com familiares e amigas, mas não se deixe influenciar fácil. Para evitar riscos, vá sozinha e se divirta 🙂 Eu gosto de fazer compras sozinha ou, no máximo, com o meu marido, porque muitas opiniões me confundem e acabo não comprando nada.

Essas são razões comuns que nos levam a exagerar nas compras e te convido a pensar na que mais se encaixa na sua história. Essa pode ser uma ótima oportunidade de trabalhar o sentimento e tirar o foco das compras. Que tal gastar tempo, dinheiro e energia com aquilo que realmente faz bem?

Beijos!

Receita de cottage caseiro

Lá no comecinho do blog, no ano passado, eu dei aqui a receita do queijo cottage caseiro, que uso como substituto do requeijão no café da manhã. Resolvi gravar um vídeo mostrando com detalhes essa receita facílima para dividir com vocês.

São apenas dois ingredientes: leite e vinagre. Você varia o gosto do cottage acrescentando seus temperos preferidos. Eu gosto de usar apenas orégano, sal e azeite. Mas você pode colocar pimenta, páprica, alecrim, salsinha, cebolinha ou o que quiser.

E não preciso nem falar na economia, né? Um pote de requeijão aqui em Brasília pode custar até R$7! Um litro de leite custa menos da metade e rende uma boa quantidade.

Assista ao vídeo para aprender o truque desse cottage caseiro mega simples de fazer:

Beijos!

Cozinha planejada | Como ficou!

Comentei ontem com vocês que passei algumas semanas de perrengue sem armários na cozinha, mas finalmente eles terminaram de ser instalados e está quase tudo pronto! Fiz móveis planejados para a cozinha porque o cômodo foi a melhor maneira de aproveitar ao máximo o espaço.

A cozinha é estreita e comprida, estilo corredor, e consegui colocar armários nos dois lados. Ainda não organizei tudo, mas já estou me virando e tentando arrumar um lugarzinho para cada item. Tenho MUITA coisa de cozinha, mais do que roupas ou sapatos. Para manter tudo em ordem, organização é essencial.

Fiz um vídeo com um tour mais completo pela cozinha, mostrando a parte interna de alguns armários. Vocês vão ver que a minha cozinha planejada ainda está looonge da organização que eu desejo, mas aos poucos tudo vai tomando forma.

Fiz os armários da casa toda com uma marcenaria aqui de Brasília. O preço fica bem mais em conta que na loja, o que pesou bastante na decisão. Quem fez o projeto foi a própria marcenaria e eu gostei muito do resultado. Escolhi cores clarinhas para a cozinha, pois queria um cômodo muito iluminado e gostoso de passar o tempo. Eu gosto muito de cozinhar e pretendo passar bastante tempo na minha cozinha planejada 🙂

Confiram as fotos e, ao fim, o vídeo com o tour completo!

cozinha-planejadacozinha-planejada cozinha-planejada
cozinha-planejada cozinha-planejada
cozinha-planejada

cozinha-planejada

cozinha-planejada
cozinha-planejada cozinha-planejada

Beijos!

Tem açúcar?

Minha cozinha está praticamente completa, depois de dias de muito sufoco e improviso! Ficamos semanas sem gás nem armários, o que rendeu colocou a minha imaginação para trabalhar como nunca. Sem poder usar o fogão, cozinhei de tudo no microondas e na Air Fryer (essa salvou mesmo!). Consegui fazer algumas refeições bem decentes e lanches deliciosos.

O que me atrapalhou mais foi a questão dos armários. Como não tinha espaço para guardar toda a louça, desembalei só o mínimo necessário: alguns copos, pratos, xícaras, potes e talheres. Tudo ficava em cima das bancadas de granito, o que está longe do meu ideal de organização.

Também não podia comprar muita comida no supermercado porque não tinha onde guardar. Enfim, uma bagunça! Até que um dia estava na Leroy Merlin e vi uma estante bem simples, mas que me ajudaria a acomodar as coisas. Ela custava uns R$ 100 e eu quaaaase comprei, mas aí pensei: acho que consigo uma emprestada!

Tentei com os meus pais e algumas amigas, mas não encontrei. Aí lembre do site Tem Açúcar?, que eu conheço há um tempo, mas nunca tinha feito um pedido. Funciona assim: você se cadastra e pode pedir algo emprestado. O aviso chega para usuários que moram perto da sua região. Se alguém tiver o material disponível para empréstimo ou doação, entra em contato e vocês combinam o encontro.

Contando com a sorte, postei no site que precisava de uma estante. No mesmo dia, veio a resposta da Fernanda, uma vizinha de bairro muito atenciosa que salvou a minha cozinha. Combinamos que eu passaria na casa dela naquela noite. Levei o móvel para casa e vocês acreditam que ele encaixou certinho na bancada de granito? Nem acreditei quando vi!

tem-açúcar

Essa é a estante salvadora! Ela é pequena, mas quebrou o maior galho para guardar potes e embalagens de comida. Foi a nossa “despensa” por um mês e evitou que a cozinha virasse um caos completo.

Esse post é para lembrar que podemos resolver várias situações sem gastar um centavo. É só usar a criatividade e arrumar alternativas. No meu caso, também precisei contar com a solidariedade dos outros e sou muito grata à família que me ajudou. Sempre fico de olho nos posts do Tem Açúcar? para ver se posso ajudar alguém. Ainda não rolou, mas sei que um dia alguma coisa minha será útil para outra pessoa 🙂

Ah, e amanhã mostro para vocês como ficou a cozinha com todos os armários e eletrodomésticos instalados. Eu amei o resultado e espero que vocês gostem também!

Beijos!

Como aproveitar folhas e talos

Desde que nos mudamos para o apartamento novo e eu comecei a cozinhar com mais frequência, percebi como desperdiçava os alimentos. De tudo que chegava da feira, boa parte ia para o lixo: talos, folhas e cascas ficavam de fora das receitas e eram desperdiçados.

Ninguém gosta de ver o dinheiro indo pelo ralo, então passei a prestar mais atenção aos alimentos para entender como aproveitá-los ao máximo. Até agora, encontrei soluções boas para cenoura, brócolis e espinafre. Ainda sofro com as frutas, mas esse é o próximo passo! Hoje quero dividir com vocês dicas de como aproveitar folhas e talos. Todas foram testadas e aprovadas por mim, então pode confiar 🙂

Cenoura
Em vários mercadinhos orgânicos aqui da minha cidade, a cenoura é vendida com a folhagem. O vendedor costuma perguntar se você quer levar com ou sem as folhas, e um dia decidi levar tudo para aproveitar as folhas de alguma forma. O gosto da folha de cenoura é bem marcante e pensei que daria um bom tempero. Fiz o teste no caldo de frango e agora só faço assim! Geralmente compro um peito de frango inteiro, com o osso, e coloco para cozinhar na pressão coberto de água. Para o caldo não ficar sem graça, complemento esse cozido com as folhas da cenoura (que costumo guardar no freezer também), uma cebola picada e outros temperos que eu tiver no dia. Depois que o frango sai da pressão, você tem um caldo delicioso para congelar e usar em risotos ou sopas.

como-aproveitar-folhas-e-talos

Espinafre
Gosto de muitas receitas que levam as folhas do espinafre, mas sempre ficava na dúvida sobre o que fazer com os talos. Comecei a usá-los para dar um up na água do arroz. Depois de tirar as folhas, corto os talos em pedaços e coloco em uma panela com água. Deixo ferver por alguns minutos, até que a água fique verdinha. Dá para usar na hora ou congelar em saquinhos de plástico para os próximos dias. Refogo a cebola e o arroz normalmente, e uso a água do espinafre para cozinhar. Para mim, o arroz não fica com gosto e mal dá para perceber que foi cozido com a água do espinafre.

Brócolis
Você também ama um arroz de brócolis? Eu adoro e encontrei um jeitinho de fazer o brócolis render muito mais. Antes, eu picava as flores junto com um pouco do caule para fazer o arroz e descartava as folhas. Agora faço o seguinte: tiro as flores para fazer salada no pote (Aprenda a fazer aqui) ou assar no vapor para acompanhar algum prato no almoço. Junto o caule e as folhas e congelo se não for usar naquele dia. Para fazer o arroz, pico tudo bem pequeno. O gosto do caule e das folhas é exatamente o mesmo das flores, a parte “nobre” do brócolis. O arroz fica muito gostoso, nem dá para perceber que foi feito com os pedaços que muita gente joga fora.

Meu próximo passo será aprender a aproveitar cascas de frutas, que morro de dó de jogar fora. Já li algumas coisas sobre a farinha da casca do maracujá, fruta que uso muito lá em casa e só aproveito o miolo. Se vocês tiverem alguma dica para aproveitar melhor legumes e frutas, por favor, me contem aqui! Estou animada para reduzir o lixo e aproveitar melhor as minhas compras. Afinal, fazer feira não está nada barato!

Beijos!

Dicas de NY

Hora de tirar a poeira do blog! Estive de férias nas duas últimas semanas e o blog ficou bem paradinho nesse tempo. Peço desculpas, mas agora estou de volta por aqui!

Antes de retomar os assuntos principais aqui do Lar Possível (organização, decoração, etc), quero falar uma pouquinho sobre as minhas férias 🙂 Eu, meu marido e minha irmã passamos oito dias em Nova York e foi um sonho realizado! Esse tipo de viagem sempre reforça em mim a ideia de que compensa economizar e mudar alguns hábitos para alcançar nossos objetivos.

Não é fácil fazer uma viagem internacional, principalmente quando o dólar está nas alturas, mas é possível. Acredito que, mantendo o foco nas economias, todo mundo chega lá. É claaaro que a minha viagem não teve luxos, mas só de conhecer aquela cidade eu já me realizei! Quero dar algumas dicas de NY e vou resumir em tópicos alguns detalhes sobre a viagem:

Hotel: Ficamos no Red Roof Inn Queens, um hotel no bairro do Queens (fora da ilha de Manhattan). A diferença de preços entre os hotéis de dentro e fora da ilha é enorme. Claro que a distância pesa um pouco, já que gastávamos mais ou menos 30 minutos de caminhada+metrô para chegar ou sair do hotel rumo a Manhattan. Se você é jovem e tem disposição, como é o nosso caso, sem problemas. Mas se você vai viajar com crianças ou idosos, há opções melhores. Para quem quer comprar MUITO, também não compensa se hospedar tão longe. O ideal é pegar um hotel bem central para deixar as sacolas ao longo do dia. Ninguém aguenta fazer passeios carregando peso. Não adianta economizar com hotel e ficar sofrendo na viagem…escolha um local de acordo com o seu perfil e vai dar tudo certo! Ah, e sobre o nosso hotel: padrão americano, com aquele cheirinho esquisito de carpete e cortina de plástico na banheira. O café da manhã é super movimentado e termina cedo, às 9h30, então só comi lá duas vezes. Muito silencioso, tranquilo, e aceita encomendas sem cobrar nada.

Transporte: Usamos o MetroCard, que dá viagens ilimitadas de ônibus e metrô. Custou 31 dólares e dura 7 dias. Foi uma mão na roda, porque cada passagem de metrô custa 3 dólares. Usávamos várias vezes ao longo do dia para ir de um ponto a outro da cidade. No mapa, Manhattan parece pequena, mas é uma canseira caminhar aquilo tudo. Na volta para o aeroporto, pegamos um Uber categoria XL, que manda carros maiores, para acomodar as malas. Não pegamos nenhum táxi durante a viagem, o metrô resolvia tudo!

Alimentação: Você pode economizar muuuito comendo só em redes de fast food e carrinhos de rua. Meu organismo não dá conta, então prefiro gastar um pouco mais para comer comida “de verdade”, tipo massas e saladas. AMO as comidas daqueles típicos diners americanos, restaurantes que servem pratos tradicionais: panquecas, hambúrgueres, ovos com bacon, etc. Então fui alternando entre refeições trash e “normais”. Não sou fã de restaurantes da moda que estão bombando no Instagram, mas fui em alguns para acompanhar a minha irmã. Considero que me dei mal em todos eles…hahahaha Muita fila, pouca comida e conta surreal. Alimentação é algo extremamente pessoal, mas digo que dá sim para economizar bem com comida em NY.

Passeios: Você pode assistir a um musical da Broadway na primeira fila ou conseguir um ingresso promocional, como nós fizemos. Ou nem assistir, se não for a sua praia! Sou contra regras em viagens e acho que você não precisa fazer os passeios X ou Y para ter uma viagem agradável. Se você quer ir a NY só para provar doces diferentes ou conhecer cenários de filmes, vai fundo! Faça o que você quiser e seu bolso permitir. Eu, por exemplo, não curto subir no topo de monumentos para ver a vista. Por isso, não subi no Empire State nem no Top of the Rock. É algo muito particular: não vi graça nem subindo a Torre Eiffel. Então esqueça roteiros engessados e faça o que você gosta. Também é possível economizar muito nos passeios. O Museu de História Natural e o MET, por exemplo, não têm preço fixo. Eles recomendam um valor para o ingresso, mas você paga o quanto puder. E o melhor de NY, para mim, foi caminhar muito, ver gente diferente, tirar fotos das ruas, esse tipo de coisa que não custa nada 🙂

Gravei alguns trechos da viagem para dar dicas da cidade e estou editando vlogs para o canal. Já publiquei os dois primeiros e comecei a editar o último! Se você quiser conhecer um pouquinho mais dessa linda cidade e pegar dicas para a sua próxima viagem, dá uma olhada! Depois vou fazer um post só falando os restaurantes que provamos 🙂


Beijos!

Porta decorada

Eu nunca tinha pensado na decoração da entrada do nosso apartamento, até que, na nossa lua-de-mel, encontramos plaquinhas lindas com números para pendurar na porta. São placas de cerâmica pintadas à mão, realmente lindas.

Nosso prédio segue o padrão da maioria dos novos edifícios: o número do apartamento fica sinalizado em uma placa de metal colada em cada porta. A nossa era um pouco sem graça, então trocamos pelas placas de cerâmica. Gostei muito da mudança e resolvi pesquisar algumas ideias de portas decoradas para inspirar vocês!

Primeiro, algumas fotos da minha porta depois da troca. Colamos com fita dupla face para fixar quadros, que você encontra em lojas de artigos para casa. Ficou simples e fofo 🙂 O que vocês acharam do resultado?

IMG_4406

IMG_4399

IMG_4404

E agora algumas fotos para inspirar quem quiser alegrar a entrada de casa:

2d14df3ce3d29f6d0cab1e0b2657ad1f 525dd85663c6ed950c33a86c8e626416 d5cde744f87ee998e75da2d9518a34ee

f1a84fc6ba934cb8e3ca632e1dc5db99

c538318ea008bdf8cade7d4032237643

Beijos!

Dilema do criado-mudo

Há anos, ganhei da minha avó o criado-mudo que ficava no quarto de solteira da minha mãe. Dormi ao lado dele em muitas e muitas férias, até que ele passou para o meu quarto definitivamente. Sabe aquele móvel todo trabalhado, impossível de encontrar hoje em dia? É ele!

Levei o criado para o apartamento novo, mas ele não coube do meu lado da cama. Fizemos um teste no lado do Leo e ficou perfeito! Como mudar de lado na cama não é uma opção para dois virginianos, concordamos que ele usaria o móvel. Aí surgiu o dilema: o que eu coloco no meu lado da cama?

Não preciso de muita coisa, só mesmo um apoio para a garrafa de água, caixa de lenços, celular e alguns remédios (esqueço de tomar se estiverem longe). O espaço é mínimo e inviável para a maioria dos móveis que pesquisei. Tenho 40 centímetros, mas quero deixar pelo menos 10cm livres para facilitar na hora de arrumar a cama.

Outro requisito para o criado é que ele não tenha pés e fique pregado na parede. O espaço já é apertado para fazer a limpeza, não quero piorar a situação. E quanto menos objetos eu tiver que levar de um lado a outro, mais fácil é a faxina.

Ainda não encontrei O criado-mudo, mas achei várias ideias interessantes nas minhas pesquisas.

criado-mudo

criado-mudo

quarto-de-casal

vogancm2pt_bb

Todos esses são da TokStok! Gostei dos modelos, mas nenhum é exatamente o que eu procuro. Achei ideias lindas também no Elo7, um site que reúne vários artesãos. Essas são as opções mais diferentes;

caixa-com-porta-criado-mudo

Caixa de feira com rodinhas da Caixaria Móveis . Essa dá para arriscar fazer em casa!

prateleira-multi-uso

Prateleira fofíssima e prática da Estrada Real Artes

criado-mudo

Que sonho essa casa de passarinhos ao lado da cama! Dá para apoiar um livro no telhado, copo, protetor labial e remédios. Achei linda demais! Essa é da Pallets Mil, também do Elo7.

Enquanto faço as minhas pesquisas, vou bolando também um desenho que possa ser reproduzido pelo marceneiro que fez nossos armários. Demoro muito para me decidir e gosto de ver várias referências, então estou sem pressa. Mas acho que lá para maio ou junho esse criado sai 🙂

Beijos!

Escolhendo as plantas da varanda

Adoro ter plantas em casa e até sou cuidadosa com elas, mas a maioria não vinga nas minhas mãos. Me dou melhor com espécies mais resistentes, que só precisem de um pouco de água e sol para crescer bem. A escolha das plantas para a varanda da casa nova levou em conta essa característica.

Estamos trazendo as plantinhas aos poucos, e até agora todas se deram bem na sacada. Lá não pega sol mega forte em nenhuma hora do dia (o apartamento não é nascente nem poente, é virado para o sul). Achei que seria um problema, mas por enquanto todas estão firmes e fortes.

A primeira escolhida foi uma mini roseira, que depois de alguns dias descobri ser amarela <3 . Ela já cresceu bastante e logo logo precisará de um vaso maior. Coloco água todos os dias à noite e fiquei impressionada com o desenvolvimento dela! Os dois primeiros botões abriram e viraram rosinhas lindas. Me animei e quero colocar mais mini rosas. Pensei em colocar várias mudas em um vaso maior para elas crescerem juntas. Será que dá certo?

IMG_4346

No fim de semana chegou a nova moradora da sacada; uma palmeira ráfia (ou rhapis). Marido era louco por essa planta e aproveitou uma promoção da Leroy Merlin. Escolheu um vaso lindo e transplantou a palmeira. Por enquanto ele está responsável por ela, então eu não rego nem nada. Parece que ela cresce bem, então vai precisar de poda no futuro. A palmeira deu uma cor linda para a varanda, alegrou o ambiente. Como a ráfia ocupa mais espaço, é bom planejar bem o ambiente antes de levá-la para casa.

IMG_4324

E agora uma sobrevivente: essa suculenta fez parte da decoração do nosso casamento, ou seja, está comigo há um ano! No meio da festa, separei dois vasinhos e pedi para minha mãe cuidar delas até que eu voltasse da lua-de-mel. As duas cresceram bem e foram para vasos maiores. Virei o ano com elas, mas uma morreu esses tempos… Coloquei a sobrevivente na varanda e estou observando para ver se ela gostou. A suculenta é a planta mais tranquila de cuidar, ela é muito resistente. É indicada até para banheiros (embora eu sinta que a minha goste de um pouco de sol).

plantas-da-varanda

E assim a nossa varanda vai ganhando mais cores! Ainda quero montar um jardim vertical para aproveitar a parede e colocar alguma mesinha ou aparador. Ainda estou pensando, depois divido as ideias com vocês 🙂

Beijos!