Categoria: Organização

Organizar arquivos digitais

Tudo nessa vida está no nosso computador: fotos, trabalhos, textos, orçamento da casa, roteiros de viagem, etc. Perder qualquer um desses itens seri um transtorno para mim, por isso sempre busquei as melhores formas de armazená-los. Até pouco tempo atrás um bom pendrive era suficiente para guardar meus arquivos. Mas as fotos e vídeos em alta resolução fizeram meu pen drive virar praticamente um disquete :p.

Deixar só no computador é um risco que eu não estou disposta a correr. Imagina o drama de perder todas as fotos da vida! Recorri a uma solução que já deve ser usada por muitos de vocês, o HD externo. O meu não é enorme, mas comporta com folga o meu arquivo.

Mas não adianta ter um arquivo enorme e não conseguir encontrar a foto daquela formatura de 1990 e bolinha. Então comecei um processo de organização dos arquivos digitais. Eu nunca tinha mexido nisso, então foi uma tarefa bem demorada. Coisa de semanas para terminar.

Primeiro eliminei todas as fotos repetidas e coloquei todas na pasta certa. Nada de “Agosto2010” nem “AleatóriasCelular”. Criei pastas e subpastas para o que estava perdido. Agora tenho a pasta “Casamentos” e, dentro dela, a pasta “FulanaeFulanoJAN2012”. Estabeleci o meu padrão: coloco o mês em caixa alta e o ano completo. Funciona bem para que chegou aos 30 e não lembra direito quando foi o chá de panela da amiga :p.

Então temos as categorias principais: Casamentos, Formaturas, Aniversários, Viagens, Festas. E dentro de casa uma delas as subpastas com a data correspondente. Não sou especialista em arquivo e com certeza esse não é o método mas prático, mas é o que funciona para mim. Acho que cada um pode estabelecer regras próprias, já que só você vai mexer naquelas pastas.

Ainda faltava resolver o problema do que eu chamo de “fotos aleatórias”, essa que você tira do cachorrinho, das árvores da rua, e qualquer outra coisa sem ligação com um fato marcante. Para esses casos, fiz o seguinte: criei pastas com temas que sempre surgem nas minhas fotos. “Bug” (é o nome do cachorro da família), “Elisa&Leo”, “Trabalho”, “Bebês”, etc. Ali vou juntando todas as fotos de determinado assunto e, se precisar checar a data em que alguma foi tirada, é só ver no arquivo.

Fora de tudo isso deixo pastas com arquivos que não quero perder no limbo do HD, como recibos do imposto de renda e conversas antigas do MSN. Vale dizer que tenho usado muito o Google Drive para criar arquivos de texto ou tabelas que pretendo armazenar. É melhor do que a velha tática de mandar para o próprio e-mail #quemnunca. Fora que não gosto de andar com o HD externo para cima e para baixo. Mantenho nele apenas arquivos que não precisam ser acessados com frequência.

Organizar os arquivos digitais é uma tarefa difícil e demorada, mas faz parte do processo de destralhe e pode economizar seu tempo no futuro. Você nunca mais terá problemas para localizar um documento, além de otimizar o espaço do seu computador ou HD externo. Só precisa começar 🙂 !

Beijos!

Playlist do destralhe

Precisando de um incentivo para começar a destralhar algum cômodo da casa? Eu busco uma playlist inspiradora e isso me ajuda muito a dar um gás no trabalho. A bagunça acumulada costuma ser inversamente proporcional à nossa vontade de arrumar, então uma ajudinha é sempre bem-vinda nesses momentos. Não sou a maior conhecedora de música, então recorro a playlists temáticas, de acordo com o clima do dia.

playlist-do-destralhe

Meu aplicativo/site preferido é o 8tracks. Não tem anúncios no meio das músicas, o que é ótimo. Ele recomenda playlists a partir das tags que você escolher. Para a hora do destralhe recomendo: “happy”, “calm”, “study”, “pop” e “piano”. Você também pode colocar nomes de artistas, mas eu prefiro deixar livre. O site te mostra várias opções dentro do que você pediu e é só escolher.

Muita gente usa o Spotify, que tem uma seleção infinita de músicas. O legal desse app é que, se você loga usando o perfil do Facebook, pode ver as playlists dos amigos. Isso ajuda muito a encontrar músicas novas porque você já sabe qual amigo tem o gosto parecido com o seu. Se você acessar meu perfil por lá (estou como Elisa Tecles) vai encontrar a Playlist do Destralhe, com algumas músicas que eu gosto de ouvir enquanto arrumo tudo. É bom que vocês conhecem um pouco do meu estilo :). A lista completa é essa:

  • Safe and Soud – Capital Cities (preferida, estava até no casamento <3 )
  • Stay With me – Sam Smith
  • Electric Feel – MGMT
  • Kids – MGMT
  • Sugar – Maroon 5
  • Don’t – Ed Sheraan
  • Like I can – Sam Smith
  • Get Lucky na versão instrumental do Vitamin String Quartet (imperdível!)
  • Why Do You Let me Stay Here? – She & Him
  • Wake Me Up – Vitamin String Quartet

Anime-se com sua playlist preferida e boa sorte no destralhe!

Beijos!

 

 

Organização da caixa de remédios

Até os mais bagunceiros vão concordar que organização é fundamental na caixa de remédios. Ninguém quer correr o risco de tomar um medicamento vencido ou errado por pura falta de ordem. O primeiro passo é ter um local específico para guardar seu remédios: uma caixa ou gaveta exclusiva para a função. Lá em casa não temos crianças, mas muitos de vocês devem ter essa preocupação na hora de guardar.

Eu uso uma caixa decorada com estampa de pílulas para que qualquer pessoa identifique facilmente. Se você mora sozinho ou não tem esse problema, qualquer caixa serve. Se você também divide a caixa com outras pessoas, recomendo colocar alguma identificação (etiqueta, cruz vermelha, etc).  O tamanho vai depender da sua necessidade. A minha é pequena, mas comporta tudo o que usamos. Olha como ela é:

FullSizeRender (1)

Fora da caixa só ficam remédios de uso diário, que eu deixo no criado-mudo, e pomadas que melam tudo mesmo bem fechadas. Eu prefiro jogar caixas e bulas fora, guardo só as cartelas. Hoje em dia você encontra todas as bulas na internet, acho até mais fácil assim. A data de validade costuma vir impressa em algumas cartelas. Quando não vem, é bom guardar a caixa.

De vez em quando faço uma vistoria nessa caixa para tirar pílulas vencidas. Perto de casa tem uma farmácia que recolhe esses remédios, então levo lá. É perigoso jogar no lixo comum porque não sabemos quem pode ter acesso a ele. Também checo o estoque de remédios que costumamos tomar para não precisar sair de casa por qualquer dor de cabeça. Sei que as farmácias entregam em casa, mas sou vovózinha e gosto de ir pessoalmente :).

Em resumo, minhas principais dicas são:

  • Tenha um local exclusivo para guardar remédios
  • Sinalize a caixa/gaveta para que qualquer pessoa da casa possa encontrá-la
  • Jogue fora remédios vencidos para não correr o risco de tomá-los sem querer
  • Abasteça com regularidade sua caixa com medicamentos de uso diário ou regular

Como vocês guardam os remédios em casa? Me contem aqui!

Beijos!

Loucuras do destralhe VÍDEO

destralhe-loucuras-como-organizar

O destralhe faz parte da minha vida há algum tempo, mas ainda preciso trabalhar algumas “loucuras” em relação a ele. Sou muito desapegada com objetos que valem ouro para outras pessoas, jogo fora sem dó. Por outro lado, guardo lembranças que não fazem o menor sentido para muita gente.

Para mim, o lado bom do desapego é diminuir a bagunça e não ter coisas paradas em casa. É botar tudo em circulação e saber que alguém vai aproveitar algo que você estava desperdiçando. Mas não dá para jogar tudo fora, né? Preciso confessar que tenho minhas doidices de desapego/apego extremo. Contei nesse vídeo 10 loucurinhas do destralhe: 5 coisas que vão direto paras o lixo e 5 que ficam para sempre mofando em casa.

Vocês também têm alguma mania estranha na hora de fazer a limpa em casa?

Beijos!

Férias sem pendências

Enquanto você lê este post, eu devo estar descansando em alguma praia carioca e me preparando para não fazer nada o dia inteiro :). Mas curtir as férias sem ter que resolver pendências exige uma boa organização. Resolver tudo antes de embarcar evita muita dor de cabeça e stress. E ninguém merece encontrar uma bagunça na volta para casa! Vou passar algumas dicas que eu costumo colocar em prática antes de alguma viagem e facilitam muito a minha vida.

1- Faça as contas. Saiba quanto você tem no banco e estabeleça um limite de gastos (nada de dobrar a meta quando alcançar a meta, ok? #piadavelha). Quantas vezes você só foi descobrir o tamanho do rombo depois que voltou da viagem? Com um teto de gastos, você fica menos propensa a gastar com bobagens e ficar no vermelho nos meses seguintes.

2- Confira se você já tem em casa alguns itens que podem custar caro em locais muito turísticos: protetor solar, hidratante pós-sol, tripé da câmera, canga, toalha de piscina, chapéu, etc.

3- Elimine as pendências do trabalho. Já caí na besteira de deixar para terminar um trabalho durante a viagem e foi horrível! Gosto de me desligar de tudo mesmo. Resolva o que tiver para resolver e deixe instruções para que seus colegas possam se virar sem você. Quem recebe muitos e-mails de trabalho pode deixar uma resposta automática com os contatos do colega que o substituirá no período.

4- Se você não for viajar logo nos primeiros dias das férias, aproveite esse tempo para se livrar de alguns itens da sua lista: providencie o conserto de sapatos e roupas que estão encostados no armário, faça o retorno no seu médico, pague as contas, deixe a chave de casa com um parente/vizinho. Risque o máximo de itens da sua lista! Depois da viagem, a rotina te atropela e você não consegue resolver mais nada.

5- Evite deixar o armário todo revirado arrumando as malas com antecedência. É desesperador encontrar seu quarto de cabeça para baixo depois de uma viagem cansativa. Gosto de separar as roupas que vou levar e já ir organizando a mala alguns dias antes das férias. Sempre rola uma baguncinha na hora de escolher as roupas. Fazendo com antecedência, você tem tempo de colocar tudo no lugar. Deixe o quarto arrumado para você descansar tranquila na volta.

Se depois de tudo isso você ainda estiver bem disposta, deixe uma comidinha congelada no freezer. Ela pode te salvar na volta :).

Beijos!

Necessaire compacta para viagem

Aproveitei muito meus dias de descanso em casa, mas nada como uma viagem para arejar a cabeça, né? Vamos passar uns dias na praia e o desafio da vez foi levar apenas uma mala de cabine. Montei uma necessaire compacta com os produtos que eu realmente uso e até que me achei bem contida. Acham que exagerei? :p

necessaire-compacta-para-viagem

Aqui temos protetor solar para corpo e rosto, os dois em embalagens tradicionais. O desodorante e o hidratante facial também são do tamanho comum. Para economizar espaço na necessaire, coloquei o xampu em um vidrinho menor e levei as versões travel size do condicionador e do hidratante corporal.

Uma dica é levar aquele xampu amarelinho de bebê, que é recomendado para lavar o rosto. Não acreditava nisso até passar por dois oftalmologistas que me indicaram usar o xampu no rosto para evitar alergias. Uso e acho ótimo!

A embalagem da água termal é compacta e funciona bem para levar na bolsa. Fora isso, estou levando uma ampola de tratamento intensivo para quando o cabelo pedir socorro.

necessaire-compacta-para-viagem

Comprei três embalagens de spray por R$ 1,99 cada para levar os produtos líquidos. Coloquei os originais na foto para mostrar a diferença. Olha o tanto de espaço que economizei na necessaire! Aqui temos vidrinhos para demaquilante, perfume e leave in. Na volta para casa, termino de usar o que sobrar e deixo os tubinhos limpos para a próxima viagem. É muito prático!

necessaire-compacta-para-viagem-maquiagem

Separar os itens de maquiagem não foi tão difícil assim. Queremos aproveitar bastante a praia, que não combina com base ou máscara de cílios. Vou levar só produtos bem básicos: primer, base, pó, blush, pó de sobrancelha, lápis, máscara e dois batons. Acrescentei um iluminador incrível que ganhei de aniversário :). Consigo me virar bem com esse kit.

Espero que não falte nada e que tudo seja útil nos próximos dias. Vocês acham que daria para diminuir a necessaire? O que está em excesso na minha mala?

Beijos!

Tarefas simples para as férias

F-É-R-I-A-S. Quase não acreditei quando esse dia chegou, mas aqui estou eu de pernas pro ar. Estou aproveitando para descansar bastante, mas separei um tempinho para organizar a vida. Fiz uma lista com tarefas simples, mas que costumamos postergar ao máximo no dia a dia. Adiamos por vários motivos: algumas são chatas e outras exigem um pouco de tempo, por isso acabam ficando no fim da fila.

tarefas-para-as-ferias

Se você não tem férias marcadas por agora, que tal aproveitar o próximo feriado (7 de setembro) para colocar essas pendências em dia? Risque algumas tarefas da lista e abra espaço na sua rotina para atividades que realmente importam. Em vez de ir lá e fazer, perdemos muito tempo nos preocupando com coisas bobas que poderiam ser resolvidas em algumas horas ou minutos.

Fora o lado bom de cumprir as tarefas sem pressa, sem horário. Eu aproveito para deixar o carro estacionado e caminhar até os lugares. Numa ida ao sapateiro (que vinha sendo adiada há meses) parei para tirar foto de um ipê e conheci um senhor que se mudou para a quadra recentemente. Resultado: meia hora de conversa sobre a vida de um pioneiro que veio para Brasília antes da inauguração. Para quem só ia buscar uma sandália, saí no lucro!

A ideia é tirar coisas boas de afazeres aparentemente chatos. Isso pode ser feito a qualquer momento, mas é mais fácil em dias de folga. A minha lista de tarefas para as férias tem itens bem pessoais e pode não se encaixar na vida de todo mundo, mas vai servir de inspiração para você lembrar o que precisa ser feito. Já consegui terminar algumas delas e o objetivo é me livrar de tudo até sexta-feira.

  1. Limpar o armário do quarto por dentro. A parte dos sapatos acaba sujando muito, assim como algumas prateleiras que eu não uso tanto. Quero tirar tudo de cada gaveta para deixar bem limpo.
  2. Depois de limpar o armário, quero rever as roupas antes de colocá-las de volta no cabide. Por mais que eu faça destralhes constantes, sempre fica alguma peça escondida.
  3. Mandar tingir a sandália do casamento. Ela ficou muito suja e eu piorei a situação tentando limpar. A sandália estava encostada há meses e precisava de um destino. A solução foi pintar de preto, vamos ver se dá certo.
  4. Levar na costureira as roupas que estão paradas por falta de ajuste.
  5. Adiantar a leitura dos livros que estão na fila.
  6. Abrir o baú da cama e revisar tudo que está guardado. Certeza que vários itens vão para o desapego.
  7. Organizar fotos e outros arquivos no computador. Esse vai dar trabalho, mas vou aproveitar para escrever um pouco sobre o assunto aqui.

Espero resolver tudo isso para viajar tranquila e voltar das férias sem nada acumulado :).

Beijos!

Organização: por onde começar?

Organização é o objetivo de muita gente, mas nem sempre sabemos por onde começar. O primeiro passo é a parte mais complicada de qualquer mudança e temos o costume de adiar o início indefinidamente. Mas hoje é segunda-feira, um ótimo dia para começar algo novo, então não tem desculpa :).

Separei algumas dicas para você entrar no processo de organização de uma maneira simples. Mantenha as expectativas em um nível razoável para não se frustrar no caminho. Dedique uns minutinhos do seu dia a alguma dessas tarefas e veja o resultado. Se você cumprir uma dica por dia, até sexta sua vida já terá menos tralha. Espero que gostem das ideias!

Beijos!

Tradr: a ajuda que faltava para o destralhe

Em tão pouco tempo o Lar Possível já me rendeu várias alegrias. Uma delas foi poder conversar com uma pessoa muito criativa e inspiradora, a Jessica Behrens. Ela tem 23 anos, estudou na Universidade de Brasília e é a criadora do Tradr, aplicativo feito com apoio do Harvard Innovation Lab. É uma espécie de “tinder” do destralhe: ele exibe fotos de objetos e você diz se gostou ou não. A partir daí, pode negociar a venda ou doação com o dono do produto. Lá tem de tudo; roupa, sapato e acessórios. Você pode delimitar um raio de busca e ver apenas peças localizadas na sua região.

11667454_1453601421627613_599209149544445088_n

Entrei em contato com a Jessica e ela topou responder algumas perguntas para o blog. O resultado é essa entrevista incrível que nos inspira a repensar a relação com o consumo.

O que despertou você para esse processo de destralhe?

Eu estava em uma crise existencial. Me sentia perdida dentro da minha própria vida. Estava terminando a universidade e tava vivendo a famosa crise de fim de curso. Não sabia o que fazer. Aí decidi me desfazer. Esse processo de destralhe foi um movimento muito mais profundo, bem filosófico e existencial mesmo. Queria descobrir o que era importante na minha vida. Mas aí como começar? Decidi começar pelos objetos. Fiz o desafio de me desfazer de uma coisa por dia durante um ano para no final ter 365 coisas a menos. Assim ia começar a perceber o que era e o que não era importante em minha vida. Aos poucos o mundo externo iria invariavelmente refletir no meu mundo interno. Foi uma espécie de ritual.

Antes do Tradr você já tinha o costume de comprar ou trocar peças usadas?

Eu sempre gostei de brechó e feira de trocas. Todo ano organizo um encontro com as amigas no qual todas levamos tudo que não queremos mais e trocamos. Sempre gostei mais da experiência que uma roupa ou uma peça traz do que a coisa em si. Aí realmente não faz diferença ser nova ou usada, a experiência de usar será nova e genuína mesmo assim. Aí junta isso com o fato de ser mais barato e melhor pro meio ambiente. Acho mais divertido e inteligente. Essa prática é mais comum na Europa, mas tem se popularizado cada vez mais no Brasil, principalmente agora por causa da crise econômica. Para muitos passa a ser uma forma interessante (e necessária) de economizar ou fazer uma grana vendendo o que tá acumulando poeira no armário.

Sua relação com o consumo mudou depois do trabalho com o Tradr?

A minha relação com o consumo mudou muito quando eu tinha 19 anos e mochilei durante nove meses por 16 países. Antes eu era aquele tipo de pessoa que abria um guarda-roupa abarrotado de roupas e falava que não tinha nada pra vestir. Quando decidi viajar, fui sozinha e com pouquíssimo dinheiro. Andava muito e pegava só transporte público. Era só eu e minha mochila. Aí só podia carregar o que conseguia colocar nas costas (literalmente). E sabe o que aconteceu? Não reclamei um dia sequer que não tinha o que vestir. Comecei a perceber que a minha felicidade estava em aprender, me aventurar pelo mundo e conhecer pessoas incríveis. Não tinha nada a ver com ter muitas coisas.
Hoje com o Tradr a minha atitude continua a mesma, mas agora, ao invés de sair de casa para ir garimpar, eu apenas abro o app. Entretanto, o meu nível de consciência mudou. Antes eu tinha uma perspectiva bastante individual. Agora eu adquiri um olhar coletivo. Comecei a realmente me conscientizar a respeito do impacto social e ambiental que as nossas decisões de consumo causam. É preciso pensar além do quê consumidor. Como consumimos? Que contexto e situações alimentamos a partir disso?

Como saber que chegou a hora de vender/doar uma peça?

Se não usamos ela há mais de um ano, muito provavelmente tá na hora de deixar ir. Duas coisas boas acontecem nessa hora: damos um lar mais feliz e movimentado pro que não usamos mais e também cedemos espaço pra algo que possa ser mais útil em nossa vida

O minimalismo também funciona para outras áreas da sua vida, como o trabalho?

Eu tento aplicar o minimalismo para todas as áreas, mas no trabalho anda difícil (risos). O Tradr está crescendo muito rápido no Brasil e principalmente nos Estados Unidos. Temos muitos desafios e muito trabalho pela frente. Mas agora com tanta coisa pra fazer, vejo que se torna ainda mais importante me organizar para ter a clareza e a sabedoria para tomar as melhores decisões. E o minimalismo me ajuda bastante nisso. Sempre que sinto que algo está bloqueado, abro mais espaço pra ter mais movimento. Afinal, sem movimento não há dança. 🙂

tradr-jessica-aplicativo-de-trocas

Gostou da ideia? Baixe o Tradr e faça o teste!

Beijos!

Metas do ano: hora de revisar

revise-metas-de-ano-novo

Fim de agosto, véspera de aniversário e um ótimo momento para rever as metas feitas na virada do ano. Cada um tem seu ritual no 31 de dezembro. O meu é anotar alguns objetivos para o ano e deixar o papel em um lugar que eu possa encontrar de vez em quando. Leio quando estou sem muitas ideias do que fazer para levar minha vida aonde quero chegar.

Preciso de metas para evitar que o tempo passe e eu não saia do lugar. É muito fácil se perder nas tarefas do dia a dia e esquecer os seus objetivos de vida. Estamos quase em setembro e é hora de revisar o que já conseguimos alcançar. Vamos usar esses últimos quatro meses do ano para colocar nossa vida de volta no caminho que queremos, tudo bem?

A minha lista para 2015 tem 10 metas. Quatro delas foram alcançadas e três estão em andamento, mas ainda longe de terminarem. As outras três estão completamente fora dos meus planos e não serão cumpridas. Engraçado como nossos objetivos mudam com o tempo. Em dezembro de 2014, eu tinha uma ideia fixa sobre a minha carreira. Refleti muito e mudei o rumo que estava seguindo. Não vejo isso como indecisão, mas como um indício de que estou me conhecendo melhor e aprendendo a respeitar meus instintos.

Bom, ainda tenho três objetivos para conquistar nos próximos quatro meses. Um deles vai receber um empurrãozinho este mês: eu e uma amiga faremos um curso de meditação. Leio muito sobre os benefícios dessa prática, mas é tão difícil esvaziar a mente, mesmo que só por alguns minutos. Essa meta vai ser difícil, mas quero muito conseguir.

Como estão as metas de vocês para o ano? Faltam muitas para alcançar até dezembro? Determinamos o 31 de dezembro como limite, mas no fim das contas é só uma data. Não vejo como fracasso mudar de ideia ou deixar uma meta para o ano seguinte. O legal é ter sempre algo que direcione suas atitudes e decisões. Como diz o ditado, quem não sabe aonde quer chegar não vai a lugar nenhum.

Beijos!